Entrevista

foto de Dr. Jomar Souza

Dr. Jomar Souza

Presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte – SBMEE

Quem destina um tempo da rotina à prática de qualquer atividade física possui maiores chances de envelhecer com qualidade de vida e se manter bem longe de uma série de doenças. Ou seja, não importa o que você escolha praticar, a regra é simplesmente movimentar o esqueleto. Alguns preferem dançar, outros correr, caminhar, jogar bola, nadar, andar de bicicleta. O importante é que o exercício escolhido faça parte da sua vida, assim como trabalhar, dormir e estudar.

Redução do peso corporal, melhora da qualidade do sono, sensação de bem-estar, níveis normais de colesterol, triglicérides, glicemia e pressão arterial, além da diminuição das chances de desenvolver doenças como diabetes, hipertensão, câncer e outras, são apenas alguns bons motivos para você dizer “sim” à atividade física.

Para saber um pouco mais sobre os seus benefícios para a saúde, conversamos com o Dr. Jomar Souza – Presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte – SBMEE. Acompanhe a entrevista a seguir e mande o sedentarismo para o espaço!

- Por quê deixar o sedentarismo de lado?

“O sedentarismo é uma das principais causas das chamadas doenças crônico-degenerativas não transmissíveis, como hipertensão arterial, diabetes tipo II, obesidade, doença arterial coronariana e osteoporose. A prática regular de exercícios físicos diminui as chances de o indivíduo ser acometido por essas patologias e, no caso de desenvolvê-las, o exercício ajuda no tratamento”.

- Podemos dizer que a antiga máxima “Mens sana in corpore sano” do poeta latino Juvenal (60-140 d.C., Sátiras, x) continua válida, hoje em dia?

“Sem dúvida. E se levarmos em consideração o fato de que o exercício físico também é eficaz como adjuvante ao tratamento de quadros de depressão e ansiedade, mais válida ainda se torna a máxima”.

- Fale sobre os benefícios de se manter uma atividade física regular.

“Além dos benefícios já citados, o exercício físico regular é fator importante na socialização do indivíduo. Ele começa a ter contato com pessoas que têm o mesmo interesse e que sabem da importância de se manter fisicamente ativo. Ademais, o exercício é um grande estímulo para a mudança de hábitos de vida deletérios. Muitos param de fumar, reduzem a ingestão de bebidas alcoólicas e passam a se alimentar de maneira mais saudável por conta da atividade física”.

- A orientação médica antes de qualquer programa de exercício é indispensável?

“Não. Pessoas com menos de 35 anos de idade e que não tenham histórico pessoal ou familiar de doenças cardíacas, respiratórias, metabólicas ou musculoesqueléticas podem iniciar exercícios de intensidade leve a moderada. Todos os outros casos devem passar por uma avaliação médico-desportiva antes de iniciar a atividade”.

- Transformar a atividade física em um hábito, às vezes, pode não ser uma tarefa fácil. O que você sugere para torná-la parte da nossa rotina, de forma prazerosa?

“Colocar o exercício físico na agenda. As pessoas precisam lembrar que além do trabalho, da família e dos amigos ela também existe e precisa ser cuidada”.

- Exercitar o corpo é, realmente, um bom remédio contra a depressão e outros problemas de ordem psicológica? Por quê?

“Certamente, como já dito. O exercício faz nosso corpo produzir substâncias que reduzem o estresse e dão aquela sensação de bem-estar”.

- Quais as atividades indicadas a iniciantes?

“Uma caminhada de 30 minutos, três vezes por semana, já é um bom começo principalmente para aqueles que ficaram sedentários por vários anos”.

SBMEE:
Tel. (11) 3106-7544
Portal: www.medicinadoesporte.org.br

Newsletter


BLOG MAIS VISTOS


Mais um passo rumo ao sucesso

Mais um passo rumo ao sucesso

Leia Mais
Pequenos grandes cuidados

Pequenos grandes cuidados

Leia Mais
Mantendo o brilho e a suavidade dos cabelos tingidos

Mantendo o brilho e a suavidade dos cabelos tingidos

Leia Mais
Problemas de visão: descubra 3 doenças que mais afetam os idosos

Problemas de visão: descubra 3 doenças que mais afetam os idosos

Leia Mais

SIGA-NOS