Conheça 6 perigos da automedicação para sua saúde

Conheça 6 perigos da automedicação para sua saúde
Compartilhar:

Publicado: 28/04/2021

Categorias: Novidades

A prática de realizar a automedicação é muito comum entre várias pessoas. Principalmente quando a principal queixa a ser tratada está relacionada a dores.

Fazer uso de medicação é muito importante sim, mas apenas quando há uma prescrição médica por trás. Isso porque toda e qualquer medicação feita sem essa orientação médica, pode gerar resultados graves à saúde.

O que às vezes era pra ser uma solução, acaba se tornando um problema. Infelizmente, os danos advindos dessa prática tem prejudicado a vida de milhares de pessoas. Abaixo, veja as principais questões acerca deste assunto e o que você precisa saber sobre isso.

O que é a automedicação?

A automedicação é o hábito que uma pessoa possui de ingerir remédios por conta própria a fim de aliviar alguns sintomas que estejam sentindo, tudo isso sem orientação médica. No Brasil,  cerca de 35% dos medicamentos vendidos em farmácia, podem ser comprados sem prescrição médica. 

Muito dessa prática vem por meio da facilidade de encontrar informações pela internet e realizar um diagnóstico próprio para o sintoma que está tendo. Abaixo mostraremos os maiores riscos desse hábito.

1. Intoxicação

Com o uso exagerado de um medicamento, por não ter um conhecimento específico sobre o modo correto de manipulá-lo, o risco de intoxicação é bastante comum. Isso pode gerar uma ineficácia do tratamento e overdose da substância que vai levar o corpo a produzir uma intoxicação por conta daquele elemento.

2. Interação medicamentosa

Quando um paciente busca ajuda médica para resolver os sintomas de alguma doença, uma combinação de medicamento e dias acabam sendo passados pelo profissional.

Esses medicamentos possuem hora e prazo determinado para que possam continuar sendo ingeridos. Quando uma pessoa por conta própria faz sua automedicação, pode haver falhas.

Isso porque um medicamento entra em conflito com o outro. Assim, dependendo da composição de cada um, acaba acontecendo deles se anularem ou potencializarem o efeito de um só.

Por isso é necessário que se tenha esse cuidado de tomar a medicação correta na hora e no tempo certo para que seus sintomas possam ser eliminados.

3. Alívio de sintomas falsos

Ao usar um medicamento para aliviar algum tipo de sintoma que esteja ocorrendo naquele momento, pode acabar sendo prejudicial. Isso porque esse sintoma pode esconder um outro problema.

Por exemplo, se você desenvolveu uma doença que um dos sintomas é a dor de cabeça e toma um analgésico para aliviar a dor, você não tratará a raiz do problema que é a patologia que desencadeou essa dor de cabeça.

Portanto, pode acontecer um agravamento da doença por conta de não ter tido uma investigação a fundo e apenas um tratamento superficial.

4. Reação alérgica

Geralmente é uma má decisão fazer a automedicação porque a maioria das pessoas não sabem a composição de um medicamento. Nem mesmo sobre o elemento que pode fazer com que ela tenha uma reação.

Os médicos, por outro lado, tem uma noção plena disso. Isso é fundamental quando os pacientes os procuram, para que não passem por nenhuma situação de sufoco.

As reações alérgicas, muitas vezes, podem levar uma pessoa a óbito se a alergia que essa pessoa tiver for algo muito forte e não for atendida rapidamente.

5. Dependência
 

Há alguns tipos de medicamentos que geram na pessoa uma maior chance de causar dependência do que outros. Por isso que um médico é fundamental.

Somente por meio do profissional o paciente saberá a dose correta para que ele tome aquele medicamento sem que ele se torne dependente daquilo.

6. Resistência a medicamento

A automedicação traz consigo a dependência e por consequência disso acaba causando no paciente uma barreira contra aquele medicamento. Então por exemplo, em alguém que está ingerindo por muito tempo uma medicação. 

O que acontece com o organismo dessa pessoa é um aumento da resistência dos microrganismos para aquela substância. Quem se torna resistente a antibióticos, pode acabar se prejudicando no tratamento de infecções futuras. 

Além de todos esses problemas, a automedicação traz o acúmulo de medicações em casa e ser adepto a isso pode gerar:

  • Mistura de remédios;

  • Consumo de remédios vencidos;

  • Mau armazenamento e estrago do produto;

  • Facilidade de crianças ingerirem por acidente.

Como fazer bom uso dos medicamentos e evitar a automedicação

Para que se faça um uso proveitoso dos medicamentos, é extremamente necessário que as pessoas procurem por um médico especialista naquilo que estão sentindo. Assim, o médico levará em consideração o seu metabolismo e suas características e receitará um medicamento ideal para que você possa fazer o uso correto.

Além disso, o Ministério da Saúde e a Anvisa possuem vários incentivos de conscientização da população. Um dos planos de ação do Ministério da Saúde incluem:

  • Regulamentação;

  • Educação;

  • Informação;

  • Pesquisa.

Nas escolas, a Anvisa criou um projeto chamado "educanvisa" que tem como objetivo, fornecer às crianças, informações sobre como usar racionalmente os medicamentos.

Além disso, informam sobre o risco que é se automedicar e da influência acerca das propagandas enganosas e abusivas. Então, para que se pudesse incentivar o uso racional desses remédios, a Anvisa fez outra coisa.

Ela criou uma ação na área de farmacovigilância. Por exemplo, o Hospital Sentinela reúne vários hospitais e unidades de todo o país e cada hospital é responsável por notificar efeitos adversos.

Hoje em dia se tem muita facilidade de acessar medicamentos. Por conta disso, a sociedade vê na farmácia um lugar de livre comércio. No entanto, isso é altamente perigoso.

Conclusão

Como pudemos ver aqui, vários são os riscos de quem faz automedicação. Principalmente porque a maior parte da população é leiga quanto a composição dos remédios.

Ninguém nunca saberá exatamente os efeitos que podem ocorrer ao ingerir um medicamento que não foi prescrito pelo médico. Algumas das principais complicações, como falamos são:

  • Intoxicação;

  • Interação medicamentosa;

  • Alívio falso de doenças;

  • Alergias;

  • Dependência;

  • Resistência a medicamento.

Sempre que você estiver sentindo algo e pensar em se automedicar, lembra-se das complicações que isso pode gerar. Procure sempre a opinião médica para uma maior segurança.

Deixe aqui seu comentário e compartilhe esse conteúdo com mais pessoas para que elas saibam os riscos dessa prática.

Newsletter


BLOG MAIS VISTOS


Mais um passo rumo ao sucesso

Mais um passo rumo ao sucesso

Leia Mais
Pequenos grandes cuidados

Pequenos grandes cuidados

Leia Mais
Mantendo o brilho e a suavidade dos cabelos tingidos

Mantendo o brilho e a suavidade dos cabelos tingidos

Leia Mais
15 anos de profissionalismo, segurança e dedicação em Porto Velho

15 anos de profissionalismo, segurança e dedicação em Porto Velho

Leia Mais

CATEGORIAS


Novidades

SIGA-NOS


Posts relacionados

Longevidade: 5 segredos para envelhecer com saúde
Longevidade: 5 segredos para envelhecer com saúde

Para chegar à terceira idade com muita qualidade de vida, leia no post os 5 segredos para envelhecer com saúde.

Leia mais
Problemas de visão: descubra 3 doenças que mais afetam os idosos
Problemas de visão: descubra 3 doenças que mais afetam os idosos

Com o avanço da idade, diversas doenças acabam se manifestando ao longo do tempo. Por isso, o cuidado com a saúde deve ser maior nesse momento.

Leia mais
12 principais causas de alteração no fluxo menstrual
12 principais causas de alteração no fluxo menstrual

Conheça as 12 principais causas de alterações no fluxo menstrual e o que fazer se isso acontecer. Confira no artigo!

Leia mais